17 de fev de 2018

Projeto da Rádia Cunhã capacita mulheres indígenas em rádio-web


Rádia Cunhã é uma rádio-web protagonizada por mulheres de oito povos indígenas (Pataxó Barra Velha, Pataxó Hahahae, Pataxó Cumuruxatiba, Tupinambá - todos os quatro baianos; Pankararu (Pernambuco); Kariri Xoco e Karapoto (Alagoas) e Xokó (Sergipe). O projeto faz parte da Rede Pelas Mulheres Indígenas e está realizando oficinas de formação em rádio-web nas comunidades indígenas de Pataxó Barra Velha (município de Porto Seguro) e outra em Pataxó 2 Irmãos (município de Cumuruxatiba), entre os dias 17 e 25 de fevereiro, com carga horária de 40h. 

A Rádia Cunhã foi criada em junho de 2016, e atualmente conta com o apoio financeiro do Governo do Estado, por meio do edital Setorial de Culturas Digitais 2016, do Fundo de Cultura da Bahia, para alcançar mais mulheres indígenas com formação e fortalecimento.

Durante as oficinas, as mulheres indígenas debateram sobre os tipos de violência contra mulher, empoderamento feminino, sororidade, ciberativismo, produção de conteúdo, etnojornalismo, técnica em rádio e outros temas. A formação tem o intuito de alcançar mais mulheres e capacitá-las para serem autônomas no desenvolvimento de seus próprios programas de rádio para ampliar e potencializar as vozes das mulheres indígenas no combate ao preconceito, violência de gênero e sexismo.

Através de rodas de conversa, as mulheres puderam expor as violências que sofreram em suas comunidades e nos seus próprios lares, com os relatos de experiências elas puderam compreender como reagir em casos de violência e tiveram elementos para alertar outras mulheres sobre a importância de combater esses atos.

Para Maria Pankararu, a primeira indígena a receber um título de doutorado no país, e participante da rede Pelas Mulheres Indígenas, a rádia "deu maior oportunidade de empoderamento a mulher indígena, tendo nossas vozes sendo ouvidas por outras mulheres de várias comunidades, e homens também. A Rádia nos dá oportunidade de nos fazermos ouvir, de relatar nossas histórias, nossos comportamentos culturais, nossos anseios, medos, alegrias. É uma forma de estarmos mais presentes nas ações do mundo com o mundo e é uma forma de fortalecimento, então é uma soma de estratégias, de ações, que nos permitem melhorar enquanto mulheres, pessoas, mães. Esse projeto foi e é muito bom e importante para nós".

Para Potyra Tê Tupinambá, uma das idealizadoras do projeto, a rádia é feita por e pelas mulheres indígenas. “As mensagens criadas para a Rádia Cunhã servem para inspirar outras mulheres a se libertarem da violência, já que infelizmente essa é uma realidade de muitas de nós mulheres. Queremos empoderar nossas parentes para mudar suas histórias, tomarem a rédea de suas vidas, saírem da violência. A Rádia é capaz de transformar a vida das mulheres”, argumenta.

Rede Pelas Mulheres Indígenas - tem como principal objetivo melhorar a realidade das mulheres indígenas do Nordeste através da formação delas como Agentes Multiplicadoras de Transformação Social, tendo interação direta com mais de 47.000 indígenas, e que durante esta iniciativa atingirão 8.000 mulheres indígenas e suas famílias.

Fundo de Cultura do Estado da Bahia (FCBA) – Criado em 2005 para incentivar e estimular as produções artístico-culturais baianas, o Fundo de Cultura é gerido pelas Secretarias da Cultura e da Fazenda. O mecanismo custeia, total ou parcialmente, projetos estritamente culturais de iniciativa de pessoas físicas ou jurídicas de direito público ou privado. Os projetos financiados pelo Fundo de Cultura são, preferencialmente, aqueles que apesar da importância do seu significado, sejam de baixo apelo mercadológico, o que dificulta a obtenção de patrocínio junto à iniciativa privada. O FCBA está estruturado em 4 (quatro) linhas de apoio, modelo de referência para outros estados da federação: Ações Continuadas de Instituições Culturais sem fins lucrativos; Eventos Culturais Calendarizados; Mobilidade Artística e Cultural e Editais Setoriais. Para mais informações, acesse: www.cultura.ba.gov.br

Foto: Mariana Cabral

Saiba mais:

Fonte: Aldeia Nago

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente aqui

FNO

Sua marca no melhor lugar!