Livro barato é no SubMarino

5 de ago de 2019

Nascimento e consolidação do Bando Anunciador



“O Bando Anunciador só veio em 1860. Era um grupo de pessoas que saía bem cedo pelas ruas do centro da cidade (assim como hoje), anunciando o início da Festa de Sant’Anna. A diferença é que isso acontecia com dois meses de antecedência, e não uma semana (como hoje). Nesse primeiro momento, o bando era composto por homens. As mulheres rezavam, ornamentavam a Igreja, promoviam o evento e encaminhavam as novas gerações para as práticas católicas. Aos escravos cabiam as atividades braçais do festejo, como a lavagem da Igreja.

Ao longo das décadas, o Bando foi mudando seus contornos.

Em 1930, já com 70 anos de rua, ele já se dividia em vários bandos dentro do Bando Anunciador e ocorria (como hoje) uma semana antes da procissão de Santana. O cortejo era o momento mais disputado da Festa. As “mulheres de família” já participavam. E com gosto: em automóveis ornamentados com temas específicos, lá estavam elas, fantasiadas e dançando ao ritmo de samba e orquestra, distribuindo poesias e folhetos com a programação da Festa de Santana.

Mesmo com a sociedade fortemente patriarcal, as mulheres conseguiram minimizar a barreira de gênero e dividir com os homens esse momento dos festejos. As pessoas menos abastadas só poderiam participar do Bando se estivessem adequadas ao padrão do desfile: com luxo e pompa. “É o poder, é o poder, é o poder da ostentação”. Brincadeiras à parte, rs, a hierarquia social seguia com força.”

Por Nilton Rasta Nilton (Perfil do facebook)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente aqui