27 de abr de 2018

Jornalismo colaborativo: chaves para o sucesso de projetos transnacionais na América Latina, segundo a Connectas

Este artigo faz parte da série "Inovadores no Jornalismo Latino-Americano" publicado pelo Centro Knight para o Jornalismo nas Américas, com o apoio do Programa de Jornalismo Independente da Fundação Open Society.

Por Priscila Hernández Flores* e Carlos Eduardo Huertas**, CONNECTAS
Priscila Hernández Flores (Cortesia)
Parece que histórias com impacto global, como os Panama Papers, despertaram um leão adormecido na América Latina, de modo que todos os tipos de colaboração jornalística estão sendo produzidos. Há muitos que querem replicar este caso emblemático, e alguns acreditam que é uma questão de simplesmente aplicar fórmulas mágicas e voilà! Eis uma história de alto impacto.
Além disso, é fácil acreditar nisso por causa da química natural que existe entre os nossos povos. Isso leva, por exemplo, a três colegas de diferentes países - como um mexicano, um venezuelano e um argentino que estão participando de um dos muitos fóruns regionais - comecem uma grande festa e se tornem compadres para a vida em um piscar de olhos.
Carlos Eduardo Huertas (Cortesia)
O desafio é como transformar essa camaradagem em produtividade. Como você pode transformar esse "fator de festa" em um "fator de trabalho"?
Existem várias considerações essenciais que impedem essa forma provocativa de trabalho, tornando-se um caminho revestido de frustrações. O principal aspecto a ter em mente para uma colaboração bem-sucedida não envolve técnicas sofisticadas de jornalismo ou aplicativos tecnológicos complexos. Também não envolve um grande orçamento nem anúncios de acordos entre as mídias envolvidas.
A primeira chave para um projeto decolar é a humildade. Abandone a figura do jornalista eremita - ninguém sabe no que ele está trabalhando e ele é ganancioso com suas informações. Torne-se o jornalista que reconhece que a realidade que ele está interessado em contar é mais complexa, que excede suas habilidades, ou mesmo que, embora ele entenda, ele sabe que vai conseguir um resultado melhor para o público com um esforço coletivo. Parece mais com formigas que têm um projeto comum, onde cada um contribui com um pedaço de folha.
O passo seguinte é a generosidade, algo que implica ir contra um "chip" instalado por corporações de mídia durante anos como uma filosofia do setor, onde o senso de propriedade e informação do jornalista era inquestionável. Os Panama Papers não teriam sido possíveis se Frederick Obermaier e Bastian Obermayer, os talentosos investigadores do Süddeutsche Zeitung, que receberam o grande vazamento, não o tivessem compartilhado, sem restrições, com o Consórcio Internacional de Jornalismo Investigativo (ICIJ).
No jornalismo colaborativo, "meu" deixa de existir e se torna "nosso". O conceito mais elevado nesta equação é o da "partilha radical" proposta pela argentina Marina Walker, vice-diretora do ICIJ. Ela se refere a trabalhos nos quais se concorda que todas as descobertas são patrimônio da própria investigação e não dos participantes individuais, independentemente da posição editorial de cada jornalista.
Para uma produção colaborativa, a confiança é indispensável. Portanto, é essencial conhecer a pessoa. No entanto, o melhor amigo na festa nem sempre é o melhor companheiro de equipe.
O ICIJ começou quando o visionário Chuck Lewis reuniu jornalistas cujas carreiras e credenciais eram garantia de qualidade. Muitos deles são referências como professores de jornalismo em todo o mundo e lançaram as bases do momento atual. Mas a consolidação do modelo veio das mãos de jornalistas com menos exposição e mais transpiração, adaptando uma expressão da colombiana Ana Lucía Duque. O trabalho, profissionalismo, independência, adequação e bom senso desta geração fazem parte das chaves que abriram as portas para a "adesão" nestes espaços.
Assim, a chave para encontrar o melhor aliado é participar dos múltiplos espaços que promovem o treinamento na região e incentivam a busca de pontos comuns entre os colegas em relação a princípios, valores e metodologias relacionadas. É o caso da CONNECTAS, que, como plataforma jornalística para as Américas, promove o jornalismo de alta qualidade desde 2013. Sua proposta de "cumplicidade jornalística" já reuniu uma centena de jornalistas testados como formigas em 15 países do hemisfério.
Em nosso DNA, a colaboração começa com a possibilidade de "pimponear" ou discutir o foco editorial de uma questão local e sua estrutura com um colega interessado em ajudar, e se move através da realização de projetos de grande importância, em equipes e com um caráter transnacional .
Para desenvolver uma história colaborativa, é necessário abandonar esse medo de falar honestamente e implementar algo que, por razões culturais regionais, é um trabalho árduo: clareza. Deve haver clareza nas regras do jogo, na coordenação do trabalho, no processo de tomada de decisão editorial, nas comunicações e até mesmo nas diferenças. É o antídoto para as dores de cabeça.
Existem diferentes motivações para colaborar. Ocorre quando vários colegas se encontram em torno de uma questão que, de outra forma, seria perigosa de assumir, como uma estratégia para alcançar um impacto maior ou devido à necessidade de expandir as capacidades de trabalho. Essas motivações podem ser baseadas nos interesses de alguém que requer apoio, dependem de um tema comum com contribuições individuais ou das mais complexas: em total interdependência.
Se é importante ter um caminho claro a seguir ao desenvolver um projeto individual, o requisito é ainda maior no trabalho colaborativo. A definição de uma hipótese comum evitará que todos trabalhem no assunto como se desenvolvessem seu próprio artigo.
O nível hiper-básico de colaboração é apresentar o texto de cada repórter junto com os outros. Mas não há dúvida de que o público agradecerá por maiores esforços que expliquem os achados em estruturas que permitem uma leitura completa e não fragmentada da situação. Isso se traduz em esforços com estilo e escrita e que testam as chaves descritas acima para que um bom resultado não seja desperdiçado no último momento. Lá, é essencial respeitar os acordos de tempos de produção e datas de publicação.
A verificação de todo o material será o tempero permanente para dar mais sabor à confiança. É a garantia que permite que todos tenham paz de espírito com o material obtido por outra pessoa do grupo.
É um desafio para os colaboradores trabalhar com o mesmo nível de entusiasmo e energia sobre os resultados até a publicação. Um bom ambiente é um indicador de que todos os envolvidos no trabalho são entusiastas e comprometidos.
O sucesso da colaboração não virá apenas do impacto do trabalho. Virá também com o interesse de realizar novos projetos colaborativos.
Como Frederick Obermaier compartilhou na Conferência Global de Jornalismo Investigativo (GIJC) na África do Sul em 2017, as colaborações jornalísticas exigem um alto nível de responsabilidade, imperativos logísticos e, muitas vezes, custos e esforços extras. Mas elas entregam melhor jornalismo com mais impacto, o que abre a porta para novos projetos e melhora a reputação de quem participa; e entre os jornalistas, as pequenas formigas, uma fraternidade divertida e quase familiar é gerada. Uma mistura acertada do "fator de festa" com o "fator de trabalho".

*Priscila Hernández Flores é uma repórter mexicana especializada em direitos humanos. Hernández é uma destacada integrante da comunidade CONNECTAS, uma plataforma jornalística das Américas, e participa de seu programa de residência jornalística em 2018. Estudou Ciências da Comunicação e fez mestrado em Jornalismo na Universidade de San Andrés e na Universidade de Columbia no jornal Clarín da Argentina. Ela recebeu vários reconhecimentos por suas reportagens sobre questões sociais, com ênfase em deficiência, gênero e migração. Em 2016, recebeu o prêmio da Iniciativa para o Jornalismo Investigativo das Américas do ICFJ/CONNECTAS na categoria de jornalismo colaborativo. Em 2009, foi reconhecida pelo Prêmio Rei de Espanha e também foi indicada ao prêmio da Fundação Gabriel García Márquez. Ela também participou de reportagens colaborativas em meios como CONNECTAS, Ojo Público (Peru), Animal Político e El Mundo (México) e Revista FACTUM (El Salvador).
**Carlos Eduardo Huertas é diretor da CONNECTAS e da Iniciativa de Reportagem Investigativa nas Américas, um projeto do Centro Internacional de Jornalistas (ICFJ). CONNECTAS é seu mais recente projeto, que começou em 2012 como uma plataforma jornalística regional na América Latina, que promove o intercâmbio de informações e conhecimento sobre questões-chave nas Américas. Começou durante o período de Huertas como Nieman Fellow 2012 na Universidade de Harvard, com o apoio da Knight Foundation. Agora, essa plataforma está se consolidando na região com a ajuda de uma aliança com o ICFJ. Por mais de uma década e até julho de 2013, Huertas trabalhou com a revista Semana, uma publicação líder na América Latina, e foi seu editor de investigações. Iniciou sua carreira jornalística como correspondente do Instituto Imprensa e Sociedade (IPYS) no monitoramento das liberdades de imprensa e de expressão em seu país. Em 2006, fundou o Consejo de Redacción (CdR), uma associação profissional na Colômbia que promove o jornalismo investigativo. Desde 2011, é membro do Consórcio Internacional de Jornalismo Investigativo (ICIJ) e participou com eles em várias investigações, incluindo os Panama Papers, que ganhou o Prêmio Pulitzer em 2017. Suas reportagens sobre corrupção, violações de direitos humanos e questões ambientais lhe renderam vários prêmios nacionais e internacionais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente aqui

FNO

Sua marca no melhor lugar!