Agora

“Sou sertanejo da gema Sou matuto do sertão.”

Figura: “Elomar Figueira” de Juraci Dórea.Disponível em:www.correio24horas.com.br
Mote: Poeta Mandacaru Verde
Glosa: Nivaldo CruzCredo

Sou o tabaréu falado,
Não costumo na cidade,
Sou mais a liberdade
De viver no meu roçado,
Fico mesmo é intrigado
Com toda essa confusão
De gente e poluição,
Fujo desse problema ,
“Sou sertanejo da gema
Sou matuto do sertão.”

Sou beiju na farinha,
Sou quebra de licuri,
Sou banguelo quando ri,
Sou corrida de argolinha,
Sou a água da quartinha,
A gordura do barrão,
O pilado do pilão,
Da poesia sou o tema,
“Sou sertanejo da gema
Sou matuto do sertão.”

Carne no fogão de lenha,
O gostoso da coalhada,
O frescor da invernada,
O interior lá das brenhas,
O que tenha e não tenha
Nesse grande torrão,
Sou sol quente de verão
Sou espinho de Jerema,
“Sou sertanejo da gema
Sou matuto do sertão.”

Postar um comentário

Comente aqui

Postagem Anterior Próxima Postagem