10 de dez de 2015

Distribuição do DVD ‘Mulheres no samba de roda’ começa na segunda-feira (14/12)


Assista ao vídeo do evento

Até segunda-feira (14), começa a distribuição do videodocumentário e livro do projeto ‘Mulheres do Samba de Roda’, que conta com apoio da Secretaria de Cultura do Estado (SecultBA), com recursos do Fundo de Cultura da Bahia. Os itens serão destinados a universidades e instituições culturais. O projeto venceu os Editais de Patrimônio do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (IPAC), órgão da SecultBA que acompanha e fiscaliza a ação. O projeto foi lançado no último sábado (5), com grande festa no Centro de Referência do Samba de Roda, na cidade de Santo Amaro, Recôncavo baiano, a 78 km de Salvador. 

De acordo com o diretor geral do IPAC, João Carlos de Oliveira, a política de Editais da SecultBA possibilita a participação concreta da sociedade na política pública estadual de cultura. Para ele, os editais ampliam ainda o apoio efetivo aos bens culturais, sejam eles materiais – imóveis, móveis e obras de arte – ou intangíveis – manifestações populares, celebrações, saberes culturais. “É importante que o patrimônio seja tombado (bens materiais) ou registrado (bens imateriais), pois passa a ter prioridade nas linhas de financiamento municipais, estaduais ou federais, ou até internacionais”, destaca João Carlos.

SAMBADEIRAS – O evento do dia 5 reuniu dezenas de sambadores e sambadeiras do Recôncavo, artistas, pesquisadores e autoridades. No mesmo dia foi aberta exposição sobre o tema. O CD e o livro trazem minibiografias de 16 mulheres como protagonistas, de diferentes cidades baianas como Bom Jesus dos Pobres, Cachoeira, Camaçari, Ilha de Vera Cruz, Feira de Santana, Irará, Maragojipe, Santo Amaro, São Francisco do Conde, Saubara, Simões Filho, Teodoro Sampaio, Conceição do Almeida e Cruz das Almas.

“O objetivo principal foi construir um acervo das vozes das sambadeiras das comunidades negras, que tendem a ser esquecidas como o tempo”, alerta a coordenadora executiva do projeto, Luciana Barreto. Para ela, as mulheres sambadeiras têm entendimento amplo da vida e não se prendem só ao sambar. “Elas nos surpreendem com seus depoimentos sobre os mais diversos temas em pauta na sociedade”, diz Luciana.

OBRA-PRIMA – O projeto comemora os 10 anos de conquista do título da UNESCO (Organização das Nações Unidas para a educação, a ciência e a cultura) para o samba de roda de ‘Obra-prima do Patrimônio Oral e Imaterial da Humanidade’. Luciana Barreto destaca experiências e protagonismo dos retratados. “São biografias que compõem acervo para as novas gerações; no enfrentamento da violência contra a mulher, o direito de se expressar, de ter trabalho, saúde e educação, dentre outros temas”, comenta a proponente.

Essa iniciativa contou com articulação entre IPAC, Associação dos Sambadores e Sambadeiras do Estado da Bahia (Asseba), Rede do Samba de Roda do Recôncavo Baiano e Chegança dos Marujos Fragata Brasileira, além da pesquisa da etnomusicóloga Katharina Döring. Os CD, DVD e livro serão distribuídos para as mulheres retratadas e seus grupos de samba, parceiros realizadores.

Mais informações podem ser obtidas com a proponente Luciana Barreto, via telefone (71) 98178-1891 e endereço mulheresdosambaderoda@gmail.com, nos sites www.marujadadesaubara.org.br ewww.asseba.com.br. Sobre Editais do IPAC se informar nos telefones (71) 3117-7482. Sobre os bens intangíveis da Bahia na Gerência de Patrimônio Imaterial do IPAC via telefones 3116-6741 e 3116-6828, e endereço geima.ipac@ipac.ba.gov.br. Fique informado via site www.ipac.ba.gov.br, facebook 'Ipacba Patrimônio' e twitter '@ipac_ba'.  

Assessoria de Comunicação – IPAC
Jornalista responsável Geraldo Aragão (DRT-BA nº 1498)
Pesquisa, entrevistas e texto-base: Alan Alexandria (estagiário de Jornalismo)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente aqui

FNO

Sua marca no melhor lugar!