4 de dez de 2017

Estranha saudade ardente do que faltou.



Estranha saudade ardente do que faltou.
Ou seria vontade do que não vivi
em respeito à incompreensível pequenez da vossa dedicação em forma de migalhas (tão pequenas)
recolhidas pelos pombos sujos
não cabem na minha próxima poesia. 
Enlaça-la-ei com fitas coloridas, sons de vento,
brisa do mar, cheiro de chuva, raízes firmes,
céu azul, canto dos pássaros, e paz... muita paz.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente aqui