1 de set de 2017

Incubadora Sonora encerra temporada de shows apoiada pelo Fundo de Cultura

A 3ª edição da Incubadora Sonora encerra sua temporada de shows mais uma vez valorizando o repertório autoral e o intercâmbio de gêneros e estilos musicais. No palco do evento, que acontece neste sábado (2), às 22h, no Portela Café, no bairro do Rio Vermelho, em Salvador, vão estar o anfitrião de todas as edições e idealizador do projeto, o músico Irmão Carlos, a doçura poética de Ana Luisa Barral e o peso do rap combinado à elegância do jazz da banda Zuhri. A Incubadora tem apoio do Fundo de Cultura da Bahia (FCBA), por meio Edital Setorial de Economia Criativa 2016.

O show é resultado do projeto de incubação que ao longo de um mês trabalhou a capacitação profissional de músicos de nove bandas selecionadas, provenientes de bairros periféricos de Salvador e municípios da região metropolitana. Nesse período, foram realizadas oficinas de gravação, produção, fotografia, comunicação e cenografia, além da produção de um ensaio fotográfico e da gravação em estúdio de duas músicas autorais para cada banda. 

Incubadora cultura
Banda Zuhi mostra ao público o seu trabalho que se traduz pelo rap combinado com a elegância do jazz
(Foto: Denisse Salazar)

Idealizado pelo produtor musical e agitador cultural, Irmão Carlos, o projeto foi criado em 2013, a partir do seu desejo em dar destaque, compartilhar e fazer circular a produção musical realizada nos bairros populares de Salvador. “Eu via muita música original e pulsante rolando na periferia da cidade e pensei em um projeto que colocasse esses músicos em diálogo, além de proporcionar um incentivo à profissionalização dessas bandas. Minha intenção é incentivar a produção autoral, destacando o perfil de cada músico, e levar até eles uma postura empreendedora”.


No repertório do show cada banda apresenta as peculiaridades de sua música autoral, o que reflete o foco do projeto em fortalecer o cenário da música independente na cidade em Salvador. Irmão Carlos apresenta o seu novo disco com um repertório dançante que mistura black music, música eletrônica e blues. A cantora e instrumentista Ana Luisa Barral mescla canções e poemas que passeiam por ritmos como valsa, samba, balada e xote. Para completar a noite, tem ainda a banda Zuhri animando o público com a fusão entre rap e jazz, em músicas espiritualistas e de cunho social racial sem cair no clichê.

Fundo de Cultura

Criado em 2005 para incentivar e estimular as produções artísticas e culturais baianas, o Fundo de Cultura da Bahia (FCBA) custeia, total ou parcialmente, projetos estritamente culturais de iniciativa de pessoas físicas ou jurídicas de direito público ou privado. São financiados, preferencialmente, aqueles que, apesar da importância do seu significado, sejam de baixo apelo mercadológico, o que dificulta a obtenção de patrocínio junto à iniciativa privada. 

O FCBA está estruturado em quatro linhas de apoio, modelo de referência para outros estados da federação - Ações Continuadas de Instituições Culturais sem fins lucrativos; eventos Culturais Calendarizados; Mobilidade Artística e Cultural e Editais Setoriais. Mais informações estão disponíveis no site da Secult

Fonte: Ascom/Secretaria de Cultura do Estado (Secult)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente aqui

FNO

Sua marca no melhor lugar!