5 de mai de 2016

Jornalistas destacam peculiaridades da assessoria nas áreas política e cultural

As especificidades e os desafios do trabalho de assessoria de imprensa nos campos político e cultural foram temas de duas palestras realizadas na Universidade Presbiteriana Mackenzie, na última semana. Fernando Busian, 41, que é assessor da Presidência da Câmara Municipal de São Paulo, e Marina Santa Clara Yakabe, 34, assessora dos rappers Rael e Emicida, foram convidados pela jornalista e professora Patrícia Paixão, para compartilhar suas experiências com os alunos do quinto semestre do curso de jornalismo.
jornalistas-destacam-peculiaridades-da-assessoria-de-imprensa-nas-areas-politica-e-culturalCom 16 anos de experiência no jornalismo, Busian atuou como repórter e editor na redação do jornal Agora São Paulo e foi assessor de imprensa do prefeito Fernando Haddad durante a campanha eleitoral e no primeiro ano de sua gestão. Em 2014, assessorou o candidato do PT ao Governo do Estado, Alexandre Padilha.

Ele iniciou sua palestra destacando o preconceito que existe na sociedade em relação à coisa pública. Tirou os alunos de sua zona de conforto, ao questioná-los: Como vocês avaliam a qualidade dos serviços do Sistema Único de Saúde [SUS]?

Diante das críticas que existem sobre o sistema, ressaltou: “Vocês sabiam que 90% dos transplantes de órgãos no país são feitos pelo SUS? É um sistema que funciona bem e pouca gente sabe disso”.

Segundo o assessor, a forma preconceituosa como a população vê a área pública se deve muito à cobertura feita pelo jornalismo. “Um dos desafios na comunicação governamental é quebrar o preconceito que a própria imprensa cria em relação à coisa pública”, explicou.

Busian também disse que a mídia, atualmente, não sabe como explorar as informações que são disponibilizadas pelos órgãos públicos para o acesso da sociedade. “A imprensa pede transparência, mas ainda não sabe lidar com as ferramentas de transparência. Esse é outro problema que tem que ser resolvido”, afirmou.

O jornalista defendeu que para evitar o partidarismo e a preservação de interesses privados em detrimento de públicos em pautas políticas - como se viu nos últimos meses, de acordo com ele – o modelo britânico de imprensa pública (como a BBC) deveria ser adotado. “Falta jornalismo público no Brasil e falta espírito público ao jornalismo brasileiro”, finalizou.

Área musical
Mariana Santa Clara Yakabe, que também atuou no jornal Agora São Paulo como editora-assistente do caderno Show!, passou pelo portal R7 e hoje assessora os rappers Emicida e Rael, foi a segunda palestrante. Ela iniciou sua apresentação destacando que quando saiu da redação para ingressar na área de assessoria de imprensa sabia que teria de fazer seu trabalho com muita dedicação e responsabilidade, para driblar os preconceitos que existem por parte de alguns colegas jornalistas em relação à função de assessor. “Assessoria de imprensa nunca foi uma área do jornalismo que as pessoas respeitassem muito”, afirmou.

Yakabe contou um pouco sobre a sua experiência como assessora na editoria de música: “A assessoria na área de música está muito voltada a tentar conseguir espaço para shows que você deseja divulgar, tem a época dos discos em que fazemos planejamentos, trabalhos novos deles. Aí a gente tem que buscar o espaço para conseguir divulgar isso”, explicou.

Palestras  02Ela também falou sobre novas estratégias de divulgação, que vão além do trabalho de relacionamento com a imprensa. Contou sobre a experiência da “Laboratório Fantasma” (empresa para a qual ela trabalha e que cuida dos músicos Emicida e Rael) de criar um blog que funciona como uma loja virtual (com venda de peças de roupas, bonés e discos dos rappers), e como plataforma para divulgação de todas as pautas dos músicos, assim como para manter os fãs sempre bem informados. “Em vez de ficarmos apenas soltando notas como assessoria, a iniciativa de gerar conteúdo passou a vir da gente também. Fazemos nossas matérias e soltamos no blog e os fãs vão espalhando”, explicou.

Marina revelou que costuma traçar estratégias diferentes nas divulgações à imprensa dos rappers Emicida e Rael. “São músicos com trajetórias diversas, que estão em momentos diferentes de suas carreiras. Por isso a divulgação precisa ser focada nas necessidades de cada um deles”.

Tanto Busian como Marina finalizaram o evento tirado dúvidas dos estudantes e colocando-se à disposição para um novo bate-papo.
(*) Integrantes do projeto ‘Correspondente Universitário’ do Portal Comunique-se. Estudantes do 5º semestre do curso de jornalismo da Faculdade Presbiteriana Mackenzie.
Participou de algum evento relacionado à comunicação social e deseja colaborar com o formato 'Correspondente Universitário'? Produza seu texto e envie o material para jornalismo@comunique-se.com.br - com o título do projeto no assunto.

Fonte: Comunique-se

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente aqui

FNO

Sua marca no melhor lugar!